Em todos os locais onde os sindicatos integrantes da Fepesp (Federação dos Professores do Estado de São Paulo) realizaram assembleias com docentes e técnicos de ensino do Sesi/Senai, as votações foram praticamente unanimes: pela rejeição da proposta de reajuste abaixo da inflação, feita pela instituição, pela defesa de nossas cláusulas sociais, e por um acordo coletivo de dois anos de duração.

No Sesi/Senai a proposta também é de acordo por dois anos que deve ser bom tanto para os empregados, quanto para os patrões, já que dessa forma, o professor trabalha com tranquilidade, sabendo que seu salário está protegido até 2018 e as Instituições podem planejar seus custos, conhecendo com antecedência o índice que será aplicado no reajuste salarial. Para este ano, o sindicato está propondo a reposição da inflação em 1º de março, estimada em 5%, e em 2018, reposição da inflação do período + 50% do índice inflacionário. Além da cláusula financeira também está sendo reivindicado: abono de falta para a realização de exames médicos e laboratoriais e melhores condições de trabalho, principalmente com relação ao uso de computadores e acesso à internet. 

Mais Lidas