Campanha Salarial 2018

  • Manter a convenção coletiva de trabalho.
  • Reajuste da inflação + aumento real
  • Incluir cláusula que proteja a categoria contra a reforma trabalhista.
  • Pagamento de hora-tecnológica

Essas são as principais propostas dos 24 sindicatos de professores, entre eles o Sinpro ABC, filiados à Federação dos Professores do Estado de São Paulo (Fepesp). As reivindicações são resultados das assembleias realizadas pela categoria em todo o estado em novembro passado e foram unificadas para a Campanha Salarial deste ano.

Há um consenso entre a categoria de que a Campanha Salarial 2018 começa num ambiente de muita dificuldade, em razão da reforma trabalhista que autoriza a redução de direitos por meio de acordos e convenções e desequilibra a relação de trabalho, em favor das empresas e não dos empregados. Para que haja equilíbrio de negociação entre as partes, será necessária participação ativa e massiva dos professores e professoras nas reuniões, assembleias e movimentos deliberados pelos sindicatos, refletindo-se no sucesso da Campanha Salarial. 

Rumos da Campanha Salarial

As negociações são unificadas no Estado, com a participação dos sindicatos sob a coordenação da Fepesp. A data base é 1º de março e haverá diferença de acordo em cada segmento.

Educação Básica: a Convenção Coletiva vale até 28 de fevereiro de 2018. Por isso, além das questões econômicas , todas as cláusulas sociais terão que ser renegociadas. Entre elas, reajuste, piso salarial, participação nos lucros, garantia semestral de salários, recesso, bolsa de estudo, férias coletivas de 30 dias corridos, cesta básica, estabilidade a 24 meses da aposentadoria.


Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Mais Lidas