IMG 8538

A educação parou nesta quarta-feira, 15 de maio. E parou o Brasil. A greve nacional de professores, técnicos administrativos e estudantes da rede pública e do setor privado, da escola infantil ao ensino superior, mobilizou multidões de norte a sul do Brasil e mostrou a força das categorias. Tanto nas capitais quanto em cidades do interior, o dia foi marcado por assembleias, aulas públicas, panfletagens, passeatas e muito protesto contra a reforma da Previdência — que prejudica toda a classe trabalhadora e atinge fortemente os docentes da educação básica — e contra o corte orçamentário nas universidades e institutos federais, o qual faz parte de um projeto de desmanche da educação pública.

 

Tsunami da educação leva 500 mil para a avenida Paulista: Confira as imagens: https://www.facebook.com/pg/SINPROABC/photos/?tab=album&album_id=2346488968742813

Foi um dia histórico para a Contee, suas entidades filiadas e para os professores e técnicos administrativos do setor privado de ensino, que se mobilizaram em peso e aderiram à Greve Nacional da Educação nas mais diversas cidades do país. “Quero agradecer, em nome da Direção Nacional da Contee, o envolvimento de todos os sindicatos do Brasil, das federações, das centrais sindicais”, destacou o coordenador-geral da Contee, Gilson Reis, que acompanhou os atos pessoalmente na capital de Minas Gerais.

“As notícias que chegam é de que no Brasil todo, nas capitais, nas cidades grandes e médias e nas pequenas cidades, as pessoas foram às ruas, protestaram, disseram FORA BOLSONARO, NÃO ao corte na educação, NÃO à reforma da Previdência. Portanto, penso que marcamos um importante intento na luta política no Brasil. A educação mais uma vez demonstra que é capaz não só de resistir, mas também de colocar o povo na rua”.

Gilson enfatizou ainda o papel crucial da educação no atual momento político, em meio a tantas retiradas de direitos e ataques — até mesmo os que incluem o presidente da República tentar desqualificar a comunidade universitária chamando seus integrantes pelos adjetivos que deveria atribuir ao espelho. “A Contee, a CNTE e todas as entidades que compõem o Fórum Nacional Popular de Educação (FNPE) têm uma grande responsabilidade pelo Brasil. Se, lá nos anos 1970 e 1980, foram os metalúrgicos os responsáveis pela resistência e luta no país, cabe agora aos trabalhadores da educação apontar os rumos. Por isso, vamos à luta, organizar nossas categorias e começar desde já a construir a greve geral do dia 14 de junho.”

IMG 8546

IMG 8548

IMG 8493

IMG 8500

IMG 8385

IMG 8505

IMG 8463

IMG 8527


Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Mais Lidas