São Paulo, 85% são contra corte de verbas públicas

Pesquisa feita na capital paulista pela Unifesp e pela USP mostra que imensa maioria é contra a PEC 241/55 e contra privatização

Uma pesquisa coordenada por professores da Unifesp e da USP mostra uma forte rejeição, em São Paulo, ao possível corte de gastos públicos com saúde e educação em momentos de crise. Cerca de 85% das pessoas são contra a medida, tanto entre mais pobres (com renda de até R$ 1.760) quanto entre mais ricos (renda superior a R$ 17.600).

"Quisemos medir o consenso sobre medidas privatizantes, de Estado mínimo e cortes sociais que estão na agenda do governo de Michel Temer", diz a socióloga Esther Solano (Unifesp), que conduziu o levantamento, com 1.058 entrevistas em toda a cidade, ao lado de Marcio Moretto Ribeiro e Pablo Ortellado (ambos da USP). As perguntas eram ligadas a temas como PEC do Teto e reforma da Previdência.

Segundo o estudo, o "consenso não liberal" é maior entre os entrevistados mais pobres. A eventual privatização de estatais como os Correios, por exemplo, é repudiada por 48% das pessoas na faixa salarial mais baixa. Na mais alta, o percentual cai para 26%.

*com dados do Brasil 247 e da Folha de S. Paulo.


Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Mais Lidas