CUT lança TV e rádio online
Na manhã do dia 20 de agosto, a classe trabalhadora do país ganhou duas novas opções de comunicação: a TV e a Rádio Web CUT. Além disso, o portal da Central Única dos Trabalhadores passou por uma reformulação e está de cara nova. As novas mídias compõem projeto de comunicação da Central, aprovado no 10º CONCUT.
Para acessar as novidades, entre em www.cut.org.br
Na manhã do dia 20 de agosto, a classe trabalhadora do país ganhou duas novas opções de comunicação: a TV e a Rádio Web CUT. Além disso, o portal da Central Única dos Trabalhadores passou por uma reformulação e está de cara nova. As novas mídias compõem projeto de comunicação da Central, aprovado no 10º CONCUT.

Para acessar as novidades, entre em www.cut.org.brhttp://radio.cut.org.br/http://tv.cut.org.br/

SINPRO ABC esteve presente no ato político em São Bernardo do Campo, onde mais de 30 mil pessoas prestigiaram o evento realizado pela Central Única dos Trabalhadores
O dia 1º de maio de 2009 não foi marcado pelo tradicional e unificado "megashow", promovido anualmente pela Central Única dos Trabalhadores. Nesse ano, ações descentralizadas levaram serviços de utilidade pública e diversão para diferentes pontos do Estado. Cidades como São Bernardo, São Paulo, Bauru, Guarujá, Campinas,  Campo Limpo Paulista e Embu realizaram atividades em comemoração ao Dia do Trabalho.
O Sindicato dos Professores do ABC, por meio do presidente Aloísio Alves da Silva, participou do ato político no Paço Municipal de São Bernardo, ao lado de outros dirigentes cutistas, prefeitos, membros da CUT, políticos e outras autoridades. Marcaram presença os prefeitos de São Bernardo e Diadema, Luiz Marinho e Mário Reali, o presidente estadual da CUT, Sebastião Cardozo, o presidente nacional da Central, Artur Henrique, entre outros.
Eventos descentralizados
No ABC, as apresentações de Leci Brandão, Jorge Ben Jor, Teatro Mágico e Zé Geraldo reuniram mais de 30 mil pessoas no Paço Municipal de São Bernardo.
Na Zona Sul, 35 mil atendimentos em 19 tendas e nove atrações musicais atraíram mais de 100 mil espectadores. O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, compareceu ao evento e destacou que a presença do público no local era o reconhecimento da contribuição da CUT para o país.
Na Zona Leste, 10 mil participaram da comemoração. Para a CUT, “mais do que os números, a festa da Central foi um grande sucesso ao permitir à entidade a aproximação com a sociedade para discutir a importância do desenvolvimento com trabalho, renda e direitos”.
Enfrentamento à crise
A crise econômica mundial esteve em pauta nos discursos políticos. Sebastião Cardozo ressaltou que é “nesse momento de crise que precisamos fortalecer nossos sindicatos. Temos que lutar porque os empresários não cedem nada de graça”. O presidente estadual da CUT destacou que em hipótese alguma a CUT discutirá redução de salário e redução de conquistas como saídas para a crise. “Não há barreira que nos faça mudar nossos valores”.
Com informações da CUT.
SINPRO ABC esteve presente no ato político em São Bernardo do Campo, onde mais de 30 mil pessoas prestigiaram o evento realizado pela Central Única dos Trabalhadores

O dia 1º de maio de 2009 não foi marcado pelo tradicional e unificado "megashow", promovido anualmente pela Central Única dos Trabalhadores. Nesse ano, ações descentralizadas levaram serviços de utilidade pública e diversão para diferentes pontos do Estado. Cidades como São Bernardo, São Paulo, Bauru, Guarujá, Campinas,  Campo Limpo Paulista e Embu realizaram atividades em comemoração ao Dia do Trabalho.

O Sindicato dos Professores do ABC, por meio do presidente Aloísio Alves da Silva, participou do ato político no Paço Municipal de São Bernardo, ao lado de outros dirigentes cutistas, prefeitos, membros da CUT, políticos e outras autoridades. Marcaram presença os prefeitos de São Bernardo e Diadema, Luiz Marinho e Mário Reali, o presidente estadual da CUT, Sebastião Cardozo, o presidente nacional da Central, Artur Henrique, entre outros.

Eventos descentralizados
No ABC, as apresentações de Leci Brandão, Jorge Ben Jor, Teatro Mágico e Zé Geraldo reuniram mais de 30 mil pessoas no Paço Municipal de São Bernardo.

Na Zona Sul, 35 mil atendimentos em 19 tendas e nove atrações musicais atraíram mais de 100 mil espectadores. O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, compareceu ao evento e destacou que a presença do público no local era o reconhecimento da contribuição da CUT para o país.

Na Zona Leste, 10 mil participaram da comemoração. Para a CUT, “mais do que os números, a festa da Central foi um grande sucesso ao permitir à entidade a aproximação com a sociedade para discutir a importância do desenvolvimento com trabalho, renda e direitos”.

Enfrentamento à crise
A crise econômica mundial esteve em pauta nos discursos políticos. Sebastião Cardozo ressaltou que é “nesse momento de crise que precisamos fortalecer nossos sindicatos. Temos que lutar porque os empresários não cedem nada de graça”. O presidente estadual da CUT destacou que em hipótese alguma a CUT discutirá redução de salário e redução de conquistas como saídas para a crise. “Não há barreira que nos faça mudar nossos valores”.

Com informações da CUT

SINPRO ABC participa do 10º Congresso da CUT e elege Julio Turra,sócio-fundador do Sindicato, para a Diretoria Executiva da Central
Mais de 2,5 mil delegados, entre eles diretores do SINPRO ABC, participaram do 10º Congresso da Central Única dos Trabalhadores, de 3 a 7 de agosto, em São Paulo.
O evento foi marcado pela escolha da diretoria Executiva Nacional da CUT, que ficará à frente da entidade nos próximos 3 anos (2009/2012). Arthur Henrique, trabalhador da Companhia Paulista de Força e Luz, foi reeleito presidente da Central. Julio Turra, sócio fundador do SINPRO ABC, segue como membro da diretoria, representando os professores na maior central sindical do país.
A boa administração da gestão anterior culminou em uma eleição com chapa única. "É importante esta unidade para que estejamos sempre preparados para enfrentar os desafios da conjuntura", comemorou Arthur Henrique, durante a posse.
Eleito vice-presidente, José Lopes Feijóo, ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, discursou e frizou: "A luta não continua. A luta é contínua".
Próximos passos
A diretoria da CUT reafirmou que continuará a luta pela defesa, manutenção e ampliação dos direitos trabalhistas. Entre algumas das bandeiras estão a redução da jornada de trabalho sem redução salarial, valorização do salário mínimo e fim do fator previdenciário.
Confira os membros eleitos:
Executiva
Presidente
Artur Henrique - Urbanitário SP
Vice-Presidente
José Lopez Feijóo - Metalúrgico SP
Secretário-geral
Quintino Severo - Metalúrgico RS
Secretário de Adm. e Finanças
Vagner Freitas - Bancário SP
Secretária de Comunicação
Rosane Bertotti - Rural SC
Secretário de Rel. Internacionais
João Antonio Felicio - Educação SP
Secretária de Relações do Trabalho
Denise Motta Dau - Seguridade Social SP
Secretário de Formação
José Celestino (Tino) - Educação MG
Secretário de Organização e Política Sindical
Jacy Afonso de Melo - Bancário DF
Secretária da Mulher Trabalhadora
Rosane da Silva - Vestuário RS
Secretário de Políticas Sociais
Expedito Solaney - Bancário PE
Secretário da Saúde do Trabalhador
Manoel Messias - Comunicação PE
Secretária da Juventude
Rosana Sousa de Deus - Químico SP
Secretária de Meio Ambiente
Carmen Helena Foro - Rural PA
Secretária de Combate ao Racismo
Maria Julia Nogueira - Seguridade Social MA
Diretores Executivos
Julio Turra -  Educação SP (SINPRO ABC)
Elisângela dos Santos Araújo - Rural BA
Adeilson Ribeiro Telles - Educação RJ
Rogério Pantoja - Urbanitário AP
Dary Beck Filho - Químico RS
Junéia Martins Batista - Municipais SP
Valeir Ertle - Comércio e Serviços SC
Ap. Donizeti da Silva - Químico SP
Jasseir  Alves Fernandes - Rural ES
Antonio Lisboa Amâncio do Vale - Educação DF
Pedro Armengol - Administração Pública DF
Shakespeare Martins de Jesus - Metalúrgico MG
SINPRO ABC participa do 10º Congresso da CUT e elege Julio Turra,sócio-fundador do Sindicato, para a Diretoria Executiva da Central

Mais de 2,5 mil delegados, entre eles diretores do SINPRO ABC, participaram do 10º Congresso da Central Única dos Trabalhadores, de 3 a 7 de agosto, em São Paulo.

O evento foi marcado pela escolha da diretoria Executiva Nacional da CUT, que ficará à frente da entidade nos próximos 3 anos (2009/2012). Arthur Henrique, trabalhador da Companhia Paulista de Força e Luz, foi reeleito presidente da Central. Julio Turra, sócio fundador do SINPRO ABC, segue como membro da diretoria, representando os professores na maior central sindical do país.

A boa administração da gestão anterior culminou em uma eleição com chapa única. "É importante esta unidade para que estejamos sempre preparados para enfrentar os desafios da conjuntura", comemorou Arthur Henrique, durante a posse.

Eleito vice-presidente, José Lopes Feijóo, ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, discursou e frizou: "A luta não continua. A luta é contínua".

Próximos passos
A diretoria da CUT reafirmou que continuará a luta pela defesa, manutenção e ampliação dos direitos trabalhistas. Entre algumas das bandeiras estão a redução da jornada de trabalho sem redução salarial, valorização do salário mínimo e fim do fator previdenciário.

Confira os membros eleitos:

Executiva
Presidente
Artur Henrique - Urbanitário SP

Vice-Presidente
José Lopez Feijóo - Metalúrgico SP

Secretário-geral
Quintino Severo - Metalúrgico RS

Secretário de Adm. e Finanças
Vagner Freitas - Bancário SP

Secretária de Comunicação
Rosane Bertotti - Rural SC

Secretário de Rel. Internacionais
João Antonio Felicio - Educação SP

Secretária de Relações do Trabalho
Denise Motta Dau - Seguridade Social SP

Secretário de Formação
José Celestino (Tino) - Educação MG

Secretário de Organização e Política Sindical
Jacy Afonso de Melo - Bancário DF

Secretária da Mulher Trabalhadora
Rosane da Silva - Vestuário RS

Secretário de Políticas Sociais
Expedito Solaney - Bancário PE

Secretário da Saúde do Trabalhador
Manoel Messias - Comunicação PE

Secretária da Juventude
Rosana Sousa de Deus - Químico SP

Secretária de Meio Ambiente
Carmen Helena Foro - Rural PA

Secretária de Combate ao Racismo
Maria Julia Nogueira - Seguridade Social MA

Diretores Executivos
Julio Turra -  Educação SP (SINPRO ABC)
Elisângela dos Santos Araújo - Rural BA
Adeilson Ribeiro Telles - Educação RJ
Rogério Pantoja - Urbanitário AP
Dary Beck Filho - Químico RS
Junéia Martins Batista - Municipais SP
Valeir Ertle - Comércio e Serviços SC
Ap. Donizeti da Silva - Químico SP
Jasseir  Alves Fernandes - Rural ES
Antonio Lisboa Amâncio do Vale - Educação DF
Pedro Armengol - Administração Pública DF
Shakespeare Martins de Jesus - Metalúrgico MG

Este ano, o Dia Internacional do Trabalho desperta a reflexão para a crise econômica e para a necessidade de mobilização em defesa do emprego
Comemorado como Dia Internacional de Luta da classe trabalhadora, o 1º de Maio esteve ligado, na sua origem (entre 1880 e 1886), à luta pela jornada de 8 horas de trabalho, que custou a vida dos chamados “mártires de Chicago”, os operários  Parsons, Spies, Fischer e Engel, enforcados nos EUA, em novembro de 1887, por agitação em favor dessa medida elementar de defesa da força de trabalho contra a exploração do capital.
Desde então, é no 1º de Maio que as trabalhadoras e trabalhadores de todo o mundo buscam expressar a luta contra a exploração e a opressão, afirmando seus interesses de classe opostos aos interesses dos capitalistas e o caráter internacional de seu combate.
O 1º de Maio de 2009 se dará no olho do furacão de uma crise estrutural do capitalismo, a maior desde 1929. Crise que estourou no país que ocupa o lugar central e hegemônico para o funcionamento do sistema e jogou a economia mundial na recessão, fato hoje admitido abertamente pelas instituições multilaterais (FMI, Banco Mundial, OCDE etc) e pelos governos das principais potências, como o dos próprios EUA e os da União Europeia, China e Japão.
Desde o segundo semestre de 2008, governos vêm socorrendo bancos e grandes empresas com trilhões de dinheiro público, mas cada bilhão dado a especuladores e capitalistas é retirado dos serviços públicos, que atendem os setores mais pobres da população, e ainda serão “retribuídos” com demissões em massa e ataques aos direitos trabalhistas e aos salários. Esta é a lógica do sistema capitalista em crise e dentro dela não há saída que não seja salvar os próprios capitalistas em prejuízo do conjunto do povo e da classe trabalhadora.
Não são os trabalhadores que devem pagar pela crise
No Brasil, como não poderia ser diferente dado o grau de “abertura” de nossa economia para as multinacionais e o capital especulativo, já há um impacto dramático da crise nas mais de 800 mil demissões ocorridas desde o início de 2009. No mesmo período, o Governo Federal já socorreu as empresas privadas (com isenções de IPI e outros impostos) em cerca de 400 bilhões de reais.
Empresas como a Vale e a Embraer, que foram privatizadas por FHC, demitiram em massa (no caso da Embraer, de uma tacada só, 20% dos empregados, mais de 4.200), uma razão a mais para que sejam devolvidas ao patrimônio nacional com sua reestatização. Outras, como as montadoras de veículos (todas multinacionais), chantageiam permanentemente o governo com pedidos de isenção de impostos, em troca de um duvidoso compromisso de “manter o nível de emprego” (o que não garante quem está trabalhando, pois há rotatividade de mão de obra).
Os sindicatos e a CUT, à qual o SINPRO-ABC é filiado, têm a enorme responsabilidade de defender os empregos, salários e direitos dos trabalhadores, hoje ameaçados em nome da “união de todos” para combater a crise.
Por isso, nos atos de 1º de Maio, como o que se realiza em São Bernardo, que a CUT convoca em todo o país, a questão central é defender os trabalhadores dos efeitos destrutivos da crise, reivindicando medidas efetivas do governo federal  que protejam os trabalhadores das demissões.
Um abaixo-assinado de massa, dirigido ao presidente Lula, circula pedindo  uma Medida Provisória que impeça os patrões de demitir.
De fato, aqueles que lucraram muito com a especulação que está na base da atual crise, são os que devem pagar por ela.
Chega de dinheiro para os patrões, o que o Brasil precisa para se defender da crise é de investimentos maciços nos serviços públicos, nenhuma demissão e estabilidade no emprego!
* Julio Turra Filho é sócio do SINPRO ABC e membro da Executiva Nacional da CUT
Este ano, o Dia Internacional do Trabalho desperta a reflexão para a crise econômica e para a necessidade de mobilização em defesa do emprego

Comemorado como Dia Internacional de Luta da classe trabalhadora, o 1º de Maio esteve ligado, na sua origem (entre 1880 e 1886), à luta pela jornada de 8 horas de trabalho, que custou a vida dos chamados “mártires de Chicago”, os operários  Parsons, Spies, Fischer e Engel, enforcados nos EUA, em novembro de 1887, por agitação em favor dessa medida elementar de defesa da força de trabalho contra a exploração do capital.

Desde então, é no 1º de Maio que as trabalhadoras e trabalhadores de todo o mundo buscam expressar a luta contra a exploração e a opressão, afirmando seus interesses de classe opostos aos interesses dos capitalistas e o caráter internacional de seu combate.

O 1º de Maio de 2009 se dará no olho do furacão de uma crise estrutural do capitalismo, a maior desde 1929. Crise que estourou no país que ocupa o lugar central e hegemônico para o funcionamento do sistema e jogou a economia mundial na recessão, fato hoje admitido abertamente pelas instituições multilaterais (FMI, Banco Mundial, OCDE etc) e pelos governos das principais potências, como o dos próprios EUA e os da União Europeia, China e Japão.

Desde o segundo semestre de 2008, governos vêm socorrendo bancos e grandes empresas com trilhões de dinheiro público, mas cada bilhão dado a especuladores e capitalistas é retirado dos serviços públicos, que atendem os setores mais pobres da população, e ainda serão “retribuídos” com demissões em massa e ataques aos direitos trabalhistas e aos salários. Esta é a lógica do sistema capitalista em crise e dentro dela não há saída que não seja salvar os próprios capitalistas em prejuízo do conjunto do povo e da classe trabalhadora.

Não são os trabalhadores que devem pagar pela crise
No Brasil, como não poderia ser diferente dado o grau de “abertura” de nossa economia para as multinacionais e o capital especulativo, já há um impacto dramático da crise nas mais de 800 mil demissões ocorridas desde o início de 2009. No mesmo período, o Governo Federal já socorreu as empresas privadas (com isenções de IPI e outros impostos) em cerca de 400 bilhões de reais.

Empresas como a Vale e a Embraer, que foram privatizadas por FHC, demitiram em massa (no caso da Embraer, de uma tacada só, 20% dos empregados, mais de 4.200), uma razão a mais para que sejam devolvidas ao patrimônio nacional com sua reestatização. Outras, como as montadoras de veículos (todas multinacionais), chantageiam permanentemente o governo com pedidos de isenção de impostos, em troca de um duvidoso compromisso de “manter o nível de emprego” (o que não garante quem está trabalhando, pois há rotatividade de mão de obra).

Os sindicatos e a CUT, à qual o SINPRO-ABC é filiado, têm a enorme responsabilidade de defender os empregos, salários e direitos dos trabalhadores, hoje ameaçados em nome da “união de todos” para combater a crise.

Por isso, nos atos de 1º de Maio, como o que se realiza em São Bernardo, que a CUT convoca em todo o país, a questão central é defender os trabalhadores dos efeitos destrutivos da crise, reivindicando medidas efetivas do governo federal  que protejam os trabalhadores das demissões.

Um abaixo-assinado de massa, dirigido ao presidente Lula, circula pedindo  uma Medida Provisória que impeça os patrões de demitir.

De fato, aqueles que lucraram muito com a especulação que está na base da atual crise, são os que devem pagar por ela.

Chega de dinheiro para os patrões, o que o Brasil precisa para se defender da crise é de investimentos maciços nos serviços públicos, nenhuma demissão e estabilidade no emprego!

Por Julio Turra Filho - sócio do SINPRO ABC e membro da Executiva Nacional da CUT

O 12º Congresso Estadual da CUT, realizado nos dias 23 e 24 de maio, elegeu a nova diretoria da CUT para o triênio 2009/2012. Adi dos Santos Lima, metalúrgico, foi escolhido presidente.
O SINPRO ABC esteve presente no Congresso e apresentou, entre outras, propostas para mudanças no Imposto de Renda. Mais informações no próximo O Professor.
O 12º Congresso Estadual da CUT, realizado nos dias 23 e 24 de maio, elegeu a nova diretoria da CUT para o triênio 2009/2012. Adi dos Santos Lima, metalúrgico, foi escolhido presidente.

O SINPRO ABC esteve presente no Congresso e apresentou, entre outras, propostas para mudanças no Imposto de Renda. Mais informações no próximo O Professor.

Evento foi realizado nos dias 11 e 12 de março, em São Bernardo
O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC realizou o Seminário ABC do Diálogo e do Desenvolvimento, em parceria com diversas entidades da sociedade civil da Região. O evento foi encerrado com a decisão de superar a crise econômica por meio da valorização da negociação, do trabalho, da produção, das pessoas e da cidadania, tendo como valores fundamentais a pluralidade, o respeito à pessoa humana e a democracia.
Durante dois dias, representantes de setores empresariais, políticos e sociais da Região e do País estiveram reunidos em São Bernardo para debater ideias e propostas de ações de curto, médio e longo prazos para combater a crise econômica.
No primeiro dia de evento, dois painéis com a presença de diversas autoridades da Região, como os prefeitos das sete cidades, além da ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (foto), do governador de São Paulo, José Serra, e do ministro do Trabalho, Carlos Luppi discutiram meios de enfrentar a crise.
A partir das discussões ocorridas no primeiro dia do seminário,  cinco grupos de trabalho debateram os principais gargalos provocados pela crise: crédito para a região, acesso a mercados e potencialidades, tributos, enfrentamento ao desemprego no ABC e relações de trabalho e trabalho decente.
Todos os resultados formaram um documento e devem ser o ponto de partida para a reinstalação da Câmara Regional do ABC. O resultado final do evento foi a Carta ABC, leia abaixo:
Grande ABC, 12 de março de 2009,
Nos dias 11 e 12 de março de 2009 em São Bernardo do Campo, o Seminário “O ABC do Diálogo e do Desenvolvimento” reuniu representantes dos trabalhadores, dos empresários e do poder público da região com os Governos Federal e Estadual e as principais Associações Patronais Nacionais com vistas a debater medidas de enfrentamento aos efeitos da crise econômica mundial, no Brasil e na região.
A partir das discussões ocorridas no primeiro dia do seminário, foram formados Grupos de Trabalho para debater os seguintes temas: crédito para a região, acesso a mercados e potencialidades, tributos, enfrentamento ao desemprego no ABC e relações de trabalho e trabalho decente.
Todos os consensos resultantes das discussões realizadas nos grupos de trabalho ou mesmo outros tópicos que merecem um período mais prolongado de debate comporão material de trabalho para a reinstalação imediata da Câmara Regional do Grande ABC, que será o fórum de articulação para a consolidação e implementação das propostas anexas a essa carta.
Uma vez restabelecida a Câmara Regional do Grande ABC, cabe aos atores da região cumprir seu papel histórico de romper os atuais paradigmas que têm posto à margem do desenvolvimento alguns setores econômicos, trabalhadores e empresas na região.
A crise uniu as diversas entidades regionais na busca de soluções para os problemas enfrentados nesse momento pelo Grande ABC. O sucesso de nossas ações permitirá que saiamos desta crise mais fortes e unidos do que quando entramos.
O Grande ABC afirma que a crise será superada com a valorização da negociação, do trabalho, da produção, das pessoas e da cidadania, tendo como valores fundamentais a pluralidade, o respeito à pessoa humana e a democracia.
Fonte: Sindicato dos Metalúrgicos do ABC/ CUT
Evento foi realizado nos dias 11 e 12 de março, em São Bernardo

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC realizou o Seminário ABC do Diálogo e do Desenvolvimento, em parceria com diversas entidades da sociedade civil da Região. O evento foi encerrado com a decisão de superar a crise econômica por meio da valorização da negociação, do trabalho, da produção, das pessoas e da cidadania, tendo como valores fundamentais a pluralidade, o respeito à pessoa humana e a democracia.

Durante dois dias, representantes de setores empresariais, políticos e sociais da Região e do País estiveram reunidos em São Bernardo para debater ideias e propostas de ações de curto, médio e longo prazos para combater a crise econômica.

No primeiro dia de evento, dois painéis com a presença de diversas autoridades da Região, como os prefeitos das sete cidades, além da ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (foto), do governador de São Paulo, José Serra, e do ministro do Trabalho, Carlos Luppi discutiram meios de enfrentar a crise.

A partir das discussões ocorridas no primeiro dia do seminário,  cinco grupos de trabalho debateram os principais gargalos provocados pela crise: crédito para a região, acesso a mercados e potencialidades, tributos, enfrentamento ao desemprego no ABC e relações de trabalho e trabalho decente.

Todos os resultados formaram um documento e devem ser o ponto de partida para a reinstalação da Câmara Regional do ABC. O resultado final do evento foi a Carta ABC, leia abaixo:

Grande ABC, 12 de março de 2009,
Nos dias 11 e 12 de março de 2009 em São Bernardo do Campo, o Seminário “O ABC do Diálogo e do Desenvolvimento” reuniu representantes dos trabalhadores, dos empresários e do poder público da região com os Governos Federal e Estadual e as principais Associações Patronais Nacionais com vistas a debater medidas de enfrentamento aos efeitos da crise econômica mundial, no Brasil e na região.

A partir das discussões ocorridas no primeiro dia do seminário, foram formados Grupos de Trabalho para debater os seguintes temas: crédito para a região, acesso a mercados e potencialidades, tributos, enfrentamento ao desemprego no ABC e relações de trabalho e trabalho decente.

Todos os consensos resultantes das discussões realizadas nos grupos de trabalho ou mesmo outros tópicos que merecem um período mais prolongado de debate comporão material de trabalho para a reinstalação imediata da Câmara Regional do Grande ABC, que será o fórum de articulação para a consolidação e implementação das propostas anexas a essa carta.

Uma vez restabelecida a Câmara Regional do Grande ABC, cabe aos atores da região cumprir seu papel histórico de romper os atuais paradigmas que têm posto à margem do desenvolvimento alguns setores econômicos, trabalhadores e empresas na região.

A crise uniu as diversas entidades regionais na busca de soluções para os problemas enfrentados nesse momento pelo Grande ABC. O sucesso de nossas ações permitirá que saiamos desta crise mais fortes e unidos do que quando entramos.

O Grande ABC afirma que a crise será superada com a valorização da negociação, do trabalho, da produção, das pessoas e da cidadania, tendo como valores fundamentais a pluralidade, o respeito à pessoa humana e a democracia.

Fonte: Sindicato dos Metalúrgicos do ABC/ CUT